“Temos Ali Um Cancro”

tadimneve
© Dario Silva, 09-01-2009. Neve na Estação de Tadim.

Tadim, 47 km a montante de Porto Campanhã, é um ponto da recta imaginária que liga Porto a Braga, logo realidade indissociável tanto do Porto como de Braga. A Linha do Minho e o Ramal de Braga são uma das consubstanciações físicas de uma rede perceptível de ligações afectivas, de fluxos, tanto de gentes como de ideias, que queremos cada vez mais forte.

“Temos Ali Um Cancro” Ou Carta Aberta à Junta de Freguesia de Tadim
Foi mais ou menos com estas palavras, e sem conseguir fugir ao sentido mais negro e temerário que as mesmas conseguem transmitir, que José Manuel Cunha, presidente da Junta de Freguesia de Tadim, se referiu recentemente à secular estação ferroviária da freguesia a que preside há 24 anos.

O feito aconteceu no passado dia 8 de Outubro num comício da campanha eleitoral, dias antes da sua reeleição para mais um mandato à frente da instituição que melhor representa os interesses e vontades e riquezas da freguesia.

Pese embora eu não ter estado presente nesse comício, assumo que o presidente da Junta (re-candidato) se estivesse a referir concretamente ao Edifício de Passageiros (EP) da estação ferroviária que serve a terra desde 1875. Portanto, 134 ao serviço de Tadim e do Vale d’Este.

Ao referir-se àquele edifício nestes termos, José Manuel Cunha não deve estar ciente – ainda – do valor efectivo, afectivo e patrimonial da nossa estação. Eu explico.

Nos idos de 1872, quando se iniciou a construção do Ramal de Braga (e a odisseia ferroviária a norte do Douro), não se ponderava a construção de nenhuma paragem intermédia. Quando os comboios começaram a passar, já em 1875, Tadim tinha uma estação ferroviária. Reza a história que um ilustre tadinense de então – Luís Braga da Cruz – intercedeu positivamente para que a sua terra fosse servida pelo comboio. Assim, é de justiça dizer-se que aquela estação, aquele singelo edifício, é também um património conquistado e legado por um homem da terra, um tadinense.

E reza também a história que não havia muito dinheiro para construir a estação de Tadim pelo que só conseguiram dela erigir o corpo principal, sem os dois anexos laterais, elemento comum nas estações Minho e Douro. Consequência? – o EP da estação de Tadim é único em Portugal e Portugal já teve 500 estações… não há nenhuma como a nossa.

Décadas passaram e a estação continuava ao serviço dos tadinenses. Quem nos preside há 24 anos devia saber isso porque a meritória monografia sobre Tadim assinada por Eduardo Pires de Oliveira tem a chancela dessa Junta de Freguesia. Como tal, assumo que tenha lido um trabalho que legitimamente edita. Na obra fala-se de pessoas ilustres e da estação, das indústrias que, durante décadas, viveram e cresceram por causa do comboio, amigo dos tadinenses.

Outras décadas passaram e em Julho deste ano 200 tadineses, aqui nascidos ou na diáspora, realizaram em Tadim um convívio dos “moradores do Lugar da Estação”. Foi memorável.

Assim como parece ter sido memorável o recente passeio-convívio promovido por esta Junta de Freguesia que levou 150 pessoas de Tadim a Aveiro. Embarcaram onde…?

No mesmo comício onde comparou a nossa estação a uma doença temível, José Manuel Cunha, presidente da Junta de Freguesia de Tadim, estaria a recordar-se da posição assumida pelo mesmo executivo quando, ainda em 2002, defendia a não-manutenção daquele edifício porque “aquilo não serve para nada”. Recorda-se?

Mas, sabe, o património não tem que ter uma utilidade material.

“Sempre que desaparece uma referência da nossa memória colectiva algo de profundo morre em nós. Por insignificante que seja, quebra-se um elo da cadeia frágil que nos une. A comunidade a que pertencemos fica mais pobre.” [Miguel Bandeira]

A nossa estação velhinha manteve-se de pé para poder ser contemplada diariamente pelos milhares de pessoas que transitam diariamente nos comboios do nosso caminho de ferro.

Mas como, ao fim de sete anos e aos fim de duas re-candidaturas, esta Junta de Freguesia não conseguiu ainda encontrar qualquer “utilidade” para a estação que não uma de uma doença, tomo a liberdade de partilhar com o seu presidente, e por ordem alfabética, algumas ideias.
Carreço, Linha do Minho. Sede do Centro Social local. Pode, inclusivé, apanhar-se o comboio.
Cabeço de Vide, Ramal de Portalegre, restaurante e alojamento.
Chaves, Linha do Corgo, museu e centro cultural.
Óbidos, Linha do Oeste, oficina de azulejos. Pode apanhar-se o comboio.
Lagoaça, Linha do Sabor. Restaurante e alojamento.
Régua, Linha do Douro, em pleno Património Mundial…
Ribeiradio, Linha do Vouga, sede da banda de Ribeiradio; o edifício foi ampliado para o efeito.
São Pedro do Sul, Linha do Vouga, um notável centro de Artes e Sabores.
Sines, Ramal de Sines. Recomendável restaurante.
Tâmega (Curalha), Linha do Corgo, habitação e museu.
Tamel (Aborim), Linha do Minho, sede da Junta de Freguesia. Pode apanhar-se o comboio.
Torredeita, Linha do Dão. Ecomuseu de Torredeita, junto à escola profissional.
Úl, Linha do Vouga, restaurante. Pode apanhar-se o comboio.
– Vila Viçosa, Ramal de Vila Viçosa. Para além de ser uma Maravilha local, é também o Museu do Mármore.
Vilar Formoso, Linha da Beira Alta. Além de se apanhar o comboio para Paris, pode-se jantar no restaurante.

Vouzela, Linha do Vouga. Actual central de camionagem.

E outros “exemplos”:
Felgar, Linha do Sabor, foi demolida. Resta a memória.
Vale de Santarém, a estação vazia ardeu recentemente. Pode apanhar-se o comboio.
Viseu, Linhas do Vouga e Dão, foi demolida. Resta a memória.

Enquanto munícipe, enquanto tadinense, sei de há muito da sensibilidade para o património desta Junta de Freguesia e do executivo de Mesquita Machado. Desde há décadas, sensibilidade como a de um elefante numa loja de cristais.

Perante o insulto que o senhor presidente da Junta de Freguesia de Tadim dirige ao património da freguesia, lembre-se 297 eleitores não concordam consigo. Um pedido de desculpas público, tanto como foi o comício, favoreceria a democracia em Tadim.

Um abraço do
Dario Silva, tadinense, cidadão português.
Coligação Juntos Por Tadim, sempre.

p.s.: o “cancro” aparece em destaque no site da Junta de Freguesia de Tadim, qual desonra…

Publicado originalmente aqui.

Anúncios

9 thoughts on ““Temos Ali Um Cancro”

  1. Seja onde for que esse autarca esteja, tendes ali em cancro…

    … enfim.

    Falam da minha estação, o Vale de Santarém, que trouxe prosperidade à terra. Antigamente, na rua contígua à estaçäo existiam fábricas abastecidas pelo enorme armazém de carga (demolido nos 1980s), e era a única estaçäo pequena com uma 3.a via para qualquer eventualidade. Os regionais encostavam aí para deixar passar os ICs e Alfas, até comboios especiais Algarve-Porto paravam!!!
    Esta 3.a via foi demolida em 2005 vá-se lá saber porquê, agora os comboios esperam eventualmente na Azambuja (30 km antes) ou Santarém, e o resultado é chegarem com bastante atraso.
    Deixaram o depois apeadeiro ao abandono, e täo bem o fecharam que os vändalos se apropriaram do local e ao fim de 5 anos largaram-lhe fogo.

    É a política da ferrovia tuga.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s